NOTA IMPORTANTE SOBRE DÍVIDA DE 185.573,00 REAIS CRIADA POR INDIANARA SIQUEIRA E COLABORADORAS EM NOME DOS LOCATÁRIOS E FIADORES DA ANTIGA CASA NUVEM

Ultima atualização: 2 de março de 2020

Para info sobre a origem da dívida https://www.casanuvem.com/o-golpe

Como muitas de vocês já sabem, os dois fiadores e os dois locatários da extinta Casa Nuvem somos réus, junto com Indianara SIqueira, numa ação dos donos do imóvel para pagamento da dívida criada por Indianara. É importante salientar que, mesmo que ela tenha assumido publicamente que é a responsável pela dívida, a justiça considera que a dívida é dos cinco réus.

ESSA DIVIDA HOJE É ESTIMADA EM 185.573,00 REAIS E CONTINUA AUMENTANDO 1% AO MÊS (Ver desenvolvimento da dívida ao final deste texto).

Com o intuito de parar o aumento da dívida, os 4 fiadores e locatários solicitamos em novembro de 2019 uma audiência de conciliação que esperamos aconteça a finais de abril ou inicio de maio de 2020. O objetivo dessa audiência é que Indianara assuma, também perante o juiz, ser a responsável da dívida e faça uma proposta aos donos do imóvel que possibilite o fechamento do processo.

Entendemos que a responsabilidade de buscar maneiras de fechar o processo é das pessoas que geraram a divida mas gostaríamos de apontar alguns possíveis caminhos.

QUAL PODERIA SER UM VALOR COM O QUAL NEGOCIAR? Acreditamos que os donos possam vir aceitar fechar o processo com um valor em torno ao 40% - 60% do valor da dívida que é a praxe neste tipo de negociações.

 

E COMO CONSEGUIR ESSE VALOR? Para conseguir esse dinheiro até a data da audiência (finais de abril-maio) uma possibilidade é ativar uma pequena rede de apoio que possa angariar rapidamente 90.000 reais através de empréstimos no banco. Por exemplo 10 pessoas podem pedir um empréstimo de 9.000 reais cada uma.

 

E QUEM PEDIRIA O EMPRÉSTIMO? A dívida não é unicamente de Indianara. Há outras pessoas com facilidade para conseguir empréstimo que podem assumir a co-responsabilidade da dívida por ter incentivado, facilitado e/ou legitimado a permanência de Indianara no imóvel mesmo sabendo que, a cada mês que passava, era gerada uma dívida enorme no nome de outras pessoas.

 

O QUE ACONTECERA SE INDIANARA NAO FECHA UM ACORDO COM OS DONOS DO IMOVEL NA AUDIENCIA DE CONCILIACAO? Se não houver mais apelações, a sentença do juiz poderia acontecer a finais de 2020 ou 2021 com um valor final que, facilmente, haverá ultrapassado os 200.000 reais. Enquanto o processo de cobrança se estende no tempo – caso não haja quitação da dívida ou penhora de propriedades - os juros continuarão fazendo a dívida aumentar. Se este processo se atrasar ate 2025 o valor da dívida seria de uns 370.000 mais a correção monetária. Esse prazo de 2025 não é irreal. Recursos em instâncias superiores podem protelar a decisão final.

 

QUÉ ACONTECE APÓS A SENTENÇA? Após a sentença, se inicia o processo de cobrança. Primeiro é enviado um oficio ao Banco Central para penhoras das contas bancárias dos 5 réus. Caso não haja dinheiro suficiente para pagar a dívida nas contas é pedida a penhora no RENAJUDE para confiscar os possíveis carros no nome dos 5 réus, depois vem a penhora chamada de “portas adentro” a qual retira pertences dos endereços dos réus, depois se faz a busca pelos imóveis no nome dos 5 réus e se faz a penhora dos imóveis. Além disso o nome dos 5 réus é negativado no SERASA.

 

OUTRAS INFOS

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA DÍVIDA
Agosto 2018: valor total da dívida declarada pelo proprietário do imóvel 200.473,89 reais.
Dezembro 2018: o valor sobe a 222.942,00 reais pelos alugueis de setembro, outubro e novembro de 2018 + multas + juros.
Janeiro 2019: valor desce a 163.056,00 reais (após a Indianara pagar 16.500 e a Nuvem Nem pagar 45.000 reais a través da arrecadação de leilão).
Fevereiro 2020: 185.573,00
Dezembro de 2020: a dívida haverá ultrapassado os 200,000 reais.

SITUAÇÃO DO PROCESSO HOJE
Nestes momentos, fevereiro de 2020, a sentença está suspensa em razão da existência de três recursos de apelação. Caso não aconteça a audiência de reconciliação, o juiz passará os três recursos para a desembargadora Teresa Andrade. O processo da desembargadora pode levar em torno a seis meses. Uma vez acabado, e já com as decisões da juíza em relação esses 3 recursos, o processo volta ao juiz da primeira instancia que tem que dar sentencia e fixar o valor a ser pago pelos cinco réus. Os três recursos que serão avaliados pela desembargadora caso não acontecer audiência de conciliação são: 1 recurso da defensoria publica para evitar o despejo que já caducou e que, por tanto, a desembargadora irá a avaliar mas só poderá desestimar. 1 recurso dos donos do imóvel (Ciclone) para que constem os valores devidos no processo. 1 dos fiadores pedindo para serem exonerados do caso a partir da data final do contrato.

 

A DIVIDA NÃO É DIVIDIDA EM 5 PARTES IGUAIS
Caso Indianara não pague a dívida, a justiça passará a ativar um processo de penhora dirigido aos 5 réus e irá sistematicamente penhorando tudo o que encontre de valor até sua quitação: dinheiro em conta, carro, casa, objetos de valor, honorários, etc. A última busca de penhora é por imóveis e, nesse caso, os fiadores poderiam perder sua casa. Ate a quitação, o nome dos 5 réus ficara negativado no SERASA e não poderemos ter nenhum bem no nosso nome, nem dinheiro no banco. A quem tiver lhe será penhorado bens ate cobrir o valor total da dívida.